Zac

Ou um outro lado de Zac, de Zac Posen. Sem tecidos com muito brilho, sem silhuetas e volumes XXL, a ir por linhas bem mais clean e com uma fluidez tão bonita. Antes da nova temporada e em jeito de despedida do Verão (nesta altura, a fluidez é ainda mais bonita!), Zac entre os melhores dos Emmys,

Anna Chlumsky, Heidi Klum  , Lucy Liu.

Perfil

Na red carpet dos Emmys, apesar de não parecer. Esta elegância é tão europeia (não?), tão festival de Cannes, tão temporada (de sonho!) couture. Adoro estas saias que preenchem as fotos, que são as peças relembradas por muitas edições – deve ser aquele lado de sonho na Moda  , o que não tem que ser vestível nem ter utilidade em mil contextos… e é tão bom ter esta vertente.

Allison Williams em Giambattista Valli; Sarah Hyland em Christian Siriano.

Aquela fase chata, depois da couture, antes do prêt-à-porter, onde ninguém pensa, (quase) ninguém lança nada e já tudo se prepara para mais uma maratona de desfiles. Estado vegetativo antes de começar a confusão – faz(-me)  todo o sentido!

Aquela fase chata, depois da couture, antes do prêt-à-porter, onde ninguém pensa, (quase) ninguém lança nada e já tudo se prepara para mais uma maratona de desfiles. Estado vegetativo antes de começar a confusão – faz(-me)  todo o sentido!

Ideia que começou com Versace na temporada couture passada e que, agora, continua, igualmente em couture por Alexandre Vauthier.

A temporada de noivas podia ser assim!

Giambattista Valli couture fw14.15

+ capas

Dizem que tudo faz ‘lembrar o Frozen’ (2013?), mas a mania das capas vem desde aquele Tom Ford que Gwyneth Paltrow usou, em 2012, nos Oscars!

A Couture, que vem quando as tendências da temporada respetiva já estão mais que definidas, traz uma abordagem tão diferente, tão especial e essencial! Ainda assim, este amor pelas capas, mais do que nunca, está para continuar!

as fotos: em couture - Alexis Mabille, Chanel, Elie Saab, Zuhair Murad, FW14.15. Elsa, Frozen. Tom Ford 2012.

Plus

Adoro este conceito de ‘ideias estranhas’ em couture. Aquilo que não é só mais um vestido, que não passa despercebido, que é invulgar, que causa tantos amores e ódios.
Vionnet, um nome tão grande mas que às vezes (e demasiadas vezes) é tão esquecido e ocultado.

Mais uma das muitas maravilhas que se pode em couture! ♥

Plus

Adoro este conceito de ‘ideias estranhas’ em couture. Aquilo que não é só mais um vestido, que não passa despercebido, que é invulgar, que causa tantos amores e ódios.

Vionnet, um nome tão grande mas que às vezes (e demasiadas vezes) é tão esquecido e ocultado.

Mais uma das muitas maravilhas que se pode em couture! 

360º

Ou não estivesse a magia (e a essência?) da couture nos detalhes!

Stéphane Rolland couture fw14.15

Semelhanças #2

As ideias semelhantes, as diferentes abordagens, as ainda mais diferentes formas de conceção.

Elie Saab e Armani Privè, Couture 14.15  

Semelhanças (3x)

Sem tantas como o costume, os que mais usam brilhos e transparências, que fazem os vestidos bonitinhos, que têm ter tudo para ser mais do mesmo mas que, estranhamente, continuam a resultar (tão bem!).

Elie Saab e Zuhair Murad, Couture 14.15